O tiro de misericórdia no Flash!

O tiro de misericórdia no flash

O tiro de misericórdia no Flash!

No caso de você não ter ouvido, mas o Flash está morto. O Google não está mais aceitando novos anúncios em Flash e vai parar de exibir anúncios em Flash inteiramente no início de 2017. E, claro, o Flash nunca foi amplamente apoiado nos smartphones.

Da mesma forma que o Flash desaparece ao fundo, e diga-se de passagem, de forma bem melancólica, o HTML5 tomou o seu lugar como o padrão da indústria para anúncios digitais, de acordo com o Interactive Advertising Bureau. Dito isto, há muita confusão sobre o que isso realmente significa. Como é que a mudança de tecnologia, ou seja, do Flash para o HTML5 impactará a maneira que você comercializará o seu produto? Você tem mais opções agora, ou menos? Será que isso significa uma forma mais demorada e fluxo de trabalho menos eficiente?

Nesse artigo iremos abordar alguns fatos e mitos acerca dessa transição que ocorre há alguns anos, desde o dia em que o Steve Jobs fechou as portas da Apple para o Flash. Esse foi o primeiro dia do fim do Flash. Você vai aprender sobre as vantagens que o HTML5 oferece em comparação ao Flash, como fonts web abrem possibilidades dentro HTML5 e como anúncios HTML5 podem criar uma melhor experiência do usuário. Você também vai aprender que, embora a transição inicial não é sem desafios, não faz sentido manter a criação de anúncios da maneira old-fashioned. O HTML5 é um componente que integra tanto o presente quanto o futuro, e agora é a hora de começar a se adaptar a essa mudança.

FATOS E MITOS

#1 Fato – A maioria dos site, ou seja, o GOOGLE, não aceitarão mais os anúncios produzidos em Flash

No dia 30 de junho, o Google parou de aceitar anúncios feitos em Flash. Isto significa que todos os novos anúncios submetidos a sua rede devem ser codificados em HTML5, e ponto final. Em janeiro de 2017, o Google vai parar de exibir todo e qualquer anúncio em Flash, mesmo aqueles carregados antes do dia 30 de junho de 2016. Isso significa que os anúncios em Flash deverão ser substituídos por anúncios feitos em HTML5, para que possam continuar a serem exibidos pelo Google. Alguns anúncios em Flash que foram previamente carregados para o AdWords podem e/ou serão (e talvez já terem sido) convertidos para HTML5 pelo Google, de forma automáticos. Os anúncios em Flash serão marcados como “Flash e HTML5” no AdWords e continuarão a serem executados.

#1 Mito – HTML5 não é nada mais do que um Flash, porém mais atual

OK, então o Flash está saindo de cena de forma definitiva e o HTML5 está tomando conta da situação. Bastante simples né?!. Mas o que é isso aplicado na prática e no dia a dia das pessoas?

Sem ficar demasiadamente técnico, o HTML5 é simplesmente a última progressão da linguagem de codificação usada para se construir quase tudo na web.

Basicamente, HTML5 abre um grau de versatilidade que o Flash foi sempre desafiado a entregar. Para não mencionar, o HTML5 funciona em dispositivos móveis, algo que o Flash nunca conseguiu fazer. Isto permite aos designers de criação de anúncios digitais, o desenvolvimento de layouts responsivos e utilizar texto dinâmico para melhorar a personalização e a geolocalização, proporcionando sempre uma melhor experiência ao usuário.

Aqui estão alguns dos principais benefícios que o HTML5 oferece:

  • Permite áudio e vídeo para ser codificada sem plug-ins, como era na Era do Flash.
  • Layout responsivo.
  • Permite a utilização de Fonts Web.

#2 Fato – A maioria dos sites, ou seja, o GOOGLE, não aceitará mais os anúncios produzidos em Flash

O tiro de misericórdia foi dado pelo Google, porém o declínio do Flash se arrasta por anos. O início desse declínio remete ao longevo ano de 2007, quando a Apple anunciou que o seu sistema operacional iOS não suportaria a tecnologia Flash, que estreou no seu smartphone iPhone. O apoio dos dispositivos Android foi fraco em um primeiro momento, desde o seu lançamento em 2008. Os browsers Safari, Chrome e Firefox têm se afastado do Flash desde aproximadamente 2013.

Nesse período, o crescimento da tecnologia HTML5 foi grande. O ponto de inflexão se deu em 2015, quando o Interactive Advertising Bureau publicou o seu manual, HTML5 for Digital Advertising v2.0, um movimento que sinalizou a elaboração do estatuto do HTML5 como o padrão da indústria.

A decisão do Google para matar anúncios em Flash em favor do HTML5 foi apenas o último prego no caixão de Flash. Os Navegadores estão evoluindo cada vez mais em apoio ao HTML5, para manter o desenvolvimento constante dessa tencologia, com novos recursos e aplicações.

#2 Mito – Os usuários não se importarão

O usuário médio pode não ser capaz de identificar o momentos e onde estará utilizando a tecnologia HTML5, porém essa é a idéia. O HTML5 foi projetado para entregar uma experiência avançada e perfeita ao usuário, ao contrário do Flash, que tinha, além de outras coisas, o incômodo da instalação de plug-in.

Isso faz com que a experiência do usuário seja mais coesa, que por sua vez faz com que anúncios menos intrusivos. Os usuários não podem sofrer com as constantes interrupções e atrasos causados pelo carregamento de anúncios. Então, quer sejam ou não usuários iniciantes ou avançados, você pode apostar que será muito mais feliz com o HTML5.

O HTML5 proporciona uma experiência ao usuário extremamente positiva, com layouts responsivos e rápido carregamento sem interrupções incovenientes.

#3 Fato – Você pode (e deve!) usar fonts web

Um dos principais benefícios do HTML5 é o fato de permitir que você use as fonts web. Isso abre uma série de novos recursos e eficiência do fluxo de trabalho. As fonts web dão aos designers mais opções de personalizações e textos dinâmicos, permitindo que o designer personalize sem o medo de que os anúncios sejam quebrados e pobres de experiências ao usuário final. As fonts web são pesquisáveis, traduzíveis e ajustáveis aos diferentes tamanhos de tela.

#3 Mito – Mas a utilização de textos em formato de imagem é tão boa!

Usar o texto como imagem é uma alternativa viável em alguns casos mas que perde muita funcionalidade e flexibilidade, em comparação de quando usamos as fonts web em HTML5. As Imagens (JPEGs, GIFs, etc.) precisam ser criadas separadamente para cada tamanho de anúncio individual. Outro ponto importante é o fato do designer ter uma gama enorme de opções de fonts web, deixando de vez a opção de se trabalhar com textos nas imagens.

#4 Fato – Trocar do Flash para o HTML5 tem desafios

O mudança do Flash para o HTML5 tem alguns obstáculos. O primeiro desafio é a aprendizagem, pois novos recursos serão apresentados para a sua equipe, tais como a responsividade e fonts web , por exemplo.

#4 Fato – Você pode ignorar o HTML5

Como foi dito anteriormente, o Flash morreu! A mudança já está em curso e quem quer continuar atuando em projetos para web, precisam acompanhar essa mudança. E aí, você realmente vai ignorar o HTML5?

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.